Ciência e EspaçoClima

Vulcão explodindo faz algo que os cientistas nunca viram antes

Um dos maiores vulcões submarinos do nosso planeta, o vulcão Hunga, no Pacífico Sul, surpreendeu os cientistas quando entrou em erupção em janeiro de 2022. A explosão enviou ondas de pressão ao redor do planeta. Ele explodiu 58.000 piscinas de água na atmosfera – uma quantidade sem precedentes. E a nuvem de cinzas e água da explosão atingiu mais de 35 milhas de altura – a mais alta já observada.

Agora, os pesquisadores relatam observações da mesma erupção de Hunga em Tonga, produzindo uma grande tempestade vulcânica que produziu os raios mais intensos já registrados. No auge, a extensa tempestade criou 2.615 flashes por minuto, quebrando o recorde anterior de 993 flashes.

“Essa série de eventos em 15 de janeiro levou a uma versão extrema de raios vulcânicos que nunca vimos antes”, disse Alexa Van Eaton, vulcanologista do Serviço Geológico dos Estados Unidos, ao Mashable. Van Eaton liderou a pesquisa, que foi publicada recentemente(abre em uma nova aba)na revista científica Geophysical Research Letters.

“Realmente, tudo sobre esta erupção foi superdimensionado”, acrescentou ela.

VEJA TAMBÉM: Núcleo da Terra é mais selvagem do que você imagina 

Você pode ver os relâmpagos, capturados por satélites no espaço (como o avançado satélite GOES-17 da NOAA) e sensores no solo, no pequeno vídeo abaixo. Cada ponto azul fugaz é um flash. No início da erupção, a tempestade em expansão criou grandes anéis de raios com mais de 150 milhas de largura, pois os raios pareciam cavalgar as ondas que pulsavam através da colossal nuvem guarda-chuva da tempestade.

 “Realmente, tudo sobre esta erupção foi superdimensionado.”

O evento destacou como uma erupção vulcânica pode produzir alguns dos climas mais extremos do planeta.

Leia:   10 setores que podem se beneficiar muito com a paletização robótica

“Acontece que as erupções vulcânicas produzem mais raios do que qualquer outro processo na Terra”, disse Van Eaton.

Como um vulcão criou uma enorme tempestade

O dramático show de luzes foi, ousamos dizer, alimentado por uma tempestade perfeita.

Mesmo pequenas erupções vulcânicas podem criar raios. Mas a erupção do Hunga foi uma versão superalimentada. Quando o vulcão submarino entrou em erupção, ele soprou tórrida rocha derretida através do mar, criando uma enorme nuvem de vapor d’água. Na atmosfera fria e tempestuosa, a mistura agitada de água, cinzas e granizo criou partículas altamente carregadas, explicou Van Eaton. Isso criou um excelente ambiente para um raio perfurar o céu.

“Esta erupção definitivamente criou um sistema climático extremo”, disse ela.

Uma borda do grande vulcão Hunga, visto do espaço antes do grande evento eruptivo em janeiro de 2022.
Uma borda do grande vulcão Hunga, vista do espaço antes do grande evento eruptivo em janeiro de 2022. Crédito: Maxar via Getty Images
Além do mais, a intensidade do raio não foi o único recorde quebrado em meio a essa tempestade vulcânica. Os pesquisadores também observaram os raios mais altos já registrados, entre 12 e 19 milhas acima do oceano. Lá em cima, em uma parte da atmosfera chamada estratosfera, normalmente não há clima ou nuvens; mas a grande explosão de Hunga mudou isso, temporariamente.

A erupção histórica não é apenas um evento único de intriga científica. Ele permite que os vulcanólogos entendam melhor o risco representado por esses vulcões submarinos e melhorem a detecção precoce. O episódio desencadeou um tsunami, destruiu casas e tirou vidas(abre em uma nova aba). Essa explosão também representa uma grande ameaça para os aviões: as cinzas são rochas vulcânicas e, se os motores a jato inalarem as rochas, eles podem parar.

Leia:   Fungos ajudam a resgatar plantações prejudicadas por microplásticos

 “Esta erupção definitivamente criou um sistema climático extremo.”“A cinza vulcânica na atmosfera é um grande perigo”, observou Van Eaton. “Mesmo se você estiver apenas fazendo um vôo padrão, algo pode entrar em erupção e colocar cinzas na atmosfera. (Para um relato angustiante(abre em uma nova aba)de um desses eventos, veja o vôo 009 da British Airways em 1989. As cinzas vulcânicas pararam todos os quatro motores. Felizmente, pilotos habilidosos desceram da nuvem de cinzas e reiniciaram os motores.)

Quer mais notícias sobre ciência e tecnologia diretamente na sua caixa de entrada? Inscreva-se no boletim informativo Light Speed ​​do Mashable hoje.

De fato, a erupção do Hunga foi massiva e provocou um show de luzes recorde. Mas ao longo das eras, os vulcões da Terra certamente geraram eventos ainda maiores e mais intensos – nós apenas não os vimos.

“No registro geológico, houve erupções maiores”, disse Van Eaton.

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button