AstronomiaCiência e Espaço

ONU abre “janela de oportunidade” para melhorar a governança espacial

Um funcionário das Nações Unidas diz que há uma oportunidade nos próximos 15 meses para melhorar a forma como as nações gerenciam as atividades espaciais para abordar questões emergentes que vão desde detritos orbitais a recursos espaciais.

Falando na Cúpula da Secure World Foundation para Sustentabilidade Espacial aqui em 13 de junho, Guy Ryder, subsecretário-geral da ONU para políticas, disse que a organização estava se esforçando para abordar a diplomacia espacial antes de uma conferência da ONU em setembro de 2024 chamada Cúpula do Futuro, que abordará ampla desafios que o mundo enfrenta.

“Temos uma janela de oportunidade nos próximos 15 meses”, disse ele, “onde podemos acelerar a diplomacia espacial e avançar na questão da governança”.

A ONU divulgou um documento de política em maio sobre a governança do espaço sideral, delineando várias questões que deseja abordar. Entre eles estão problemas de coordenação para uma população crescente de objetos espaciais em geral na órbita da Terra e, mais especificamente, quantidades crescentes de detritos.

“A mudança mais óbvia e talvez a mais extraordinária nos últimos anos foi o grande número de objetos sendo lançados ao espaço”, disse Ryder. “O fato de que mais objetos foram lançados nos últimos 10 anos do que nos 50 anos anteriores combinados oferece, penso eu, oportunidades de desenvolvimento sem limites e necessidades de governança.”

Entenda o que é o Pacto Global da ONU | Generation Brazil

Essas necessidades de governança giram em torno da coordenação do tráfego espacial, com progresso limitado para lidar com isso em escala global. Isso coloca em risco a segurança e a sustentabilidade do espaço, argumentou, o que é agravado pelo crescimento de detritos, principalmente de testes antissatélite. Os esforços para remover detritos são promissores, mas ele disse que sem normas internacionais sobre essas atividades, “o uso dessas tecnologias pode ser uma fonte tanto de tensão quanto de conflito”.

Leia:   NASA abre Centro de Informações da Terra em meio a incertezas orçamentárias

Outras questões preocupantes giram em torno da exploração humana da lua e da utilização dos recursos espaciais. Ele observou que, embora o Comitê de Usos Pacíficos do Espaço Sideral (COPUOS) esteja examinando a utilização dos recursos espaciais, ainda não há acordo sobre como os países e empresas podem usar esses recursos.

Ryder não ofereceu propostas específicas para abordar essas questões, mas disse que as reuniões do COPUOS e outras organizações nos próximos 15 meses ofereceram oportunidades para desenvolver propostas para abordá-las antes da Cúpula do Futuro, onde o espaço será um dos muitos itens da agenda.

O objetivo, disse ele, é desenvolver uma única estrutura de governança unificada que abranja a coordenação do tráfego espacial, gerenciamento de detritos e recursos, bem como normas e regras para evitar conflitos armados no espaço sideral. No entanto, ele disse que a ONU estaria aberta a estruturas separadas para cada questão “se esse caminho parecer mais provável de alcançar resultados”.

Ryder disse que os esforços para desenvolver mecanismos de governança em alto mar, como a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, oferecem um modelo para o espaço. “Tudo isso nos dá a confiança de que os tipos de acordos concluídos no passado são possíveis no futuro, mesmo no clima geopolítico reconhecidamente desafiador de hoje.”

Faz parte dos esforços de coordenação que antecedem a Cimeira do Futuro uma conferência organizada por Portugal na primavera de 2024. Com ela pretende-se ajudar a desenvolver propostas a apresentar na cimeira, disse Hugo André Costa, membro do conselho executivo da Agência Espacial Portuguesa, durante mais um painel da conferência.

Haverá dois workshops virtuais antes da conferência portuguesa, um em outubro sobre questões tecnológicas e um segundo em março de 2024 sobre questões políticas, para solicitar ideias de governos, indústria e academia. “Só assim podemos nos preparar para o futuro”, argumentou.

Leia:   As ofertas somente para convidados da Amazon para o Prime Day são realmente impressionantes: veja como comprá-las

Houve discussões sobre se o COPUOS, com mais de 100 nações membros operando em um modelo de consenso em que todas as nações precisam concordar, é adequado para o ambiente espacial atual. “É lento, é frustrante, mas no final das contas é um processo lento e constante”, disse Valda Vikmanis Keller, diretora do Escritório de Assuntos Espaciais do Departamento de Estado dos EUA, dizendo que as discussões abertas continuam sendo essenciais. “É o único caminho a seguir.”

“Precisamos continuar o trabalho que está sendo feito no COPUOS”, disse Costa, incluindo “difíceis discussões” sobre essas questões. “É por meio das conversas difíceis e das discussões difíceis que teremos que podemos apoiar o trabalho do COPUOS e seguir em frente.”

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button