Ciência e EspaçoRobótica

Cobots vs Robots: o último combate

Bem-vindo ao duelo final entre cobots e robôs!

Durante décadas, os robôs industriais convencionais reinaram supremos na fabricação. Eles ofereceram soluções de automação de negócios que podem realizar tarefas repetitivas e reduzir o trabalho manual.

Mais recentemente, os robôs colaborativos entraram no ringue como adversários dos robôs industriais convencionais. Eles podem parecer alguns robôs industriais convencionais, mas são mais leves e fáceis de usar. As empresas começaram a adotar cobots em um ritmo impressionante.

Qual é o melhor ? O cobot ou o robô?

É hora de colocar os dois tipos de robôs em competição de uma vez por todas.

Prepare-se para o nosso duelo entre cobots e robôs convencionais.

Vamos conhecer nossos concorrentes!

Concorrente 1: O robô industrial convencional
No primeiro canto temos o robô industrial convencional, uma máquina projetada para velocidade e força.

Os robôs industriais são usados ​​há quase 70 anos em processos de fabricação automatizados. Eles são normalmente usados ​​para tarefas repetitivas de alta velocidade, como soldagem, pintura e montagem de peças grandes. Eles têm a vantagem de poder trabalhar com rapidez e eficiência, uma vez implantados na tarefa escolhida.

Por décadas, os robôs foram colocados contra os humanos por causa de sua maior velocidade, precisão e regularidade. Em muitos casos, os robôs industriais foram vitoriosos… e os trabalhadores humanos nem sempre ficam entusiasmados!

Os robôs industriais convencionais costumam ser grandes e poderosos, exigindo uma barreira de segurança para evitar perigos para os humanos… um adversário formidável.

Robô industrial realizando operação de alimentação de máquinas.

Robot industriel exécutant une application d’entretien de machine

Concorrente 2: O robô colaborativo
No canto oposto, temos o relativamente novo em automação: robôs colaborativos.

Os Cobots são projetados para trabalhar ao lado dos humanos, fornecendo uma mão extra na linha de produção ou em outras tarefas. Eles geralmente são menores e mais leves que os robôs industriais convencionais, exigindo menos tempo, orçamento e energia para operar.

Leia:   DARPA reduz experimento espacial de Blackjack

Esta não é a primeira vez que cobots enfrentam seus primos robôs. Nas últimas décadas, eles também foram desafiados pelos humanos devido à sua segurança e regularidade nas tarefas. E, muitas vezes, os humanos parecem mais satisfeitos com essa associação do que com os robôs convencionais.

Pince tenant une pièce métallique avec un robot collaboratif

Que comece o duelo!
Robôs e cobots têm seus pontos fortes e fracos.

Os robôs industriais convencionais podem ser máquinas incrivelmente poderosas e eficientes, capazes de executar repetidamente tarefas complexas de produção por meses. No entanto, sua implantação leva tempo e são caros.

Os cobots, por outro lado, são mais leves e acessíveis do que os robôs convencionais. Eles são mais fáceis de programar e podem trabalhar com segurança ao lado de humanos. No entanto, eles tendem a ser mais lentos e menos poderosos.

Quem prevalecerá em nosso duelo?

Que comece a competição!

Rodada 1: Força
A primeira rodada é a força. Quando se trata de poder, os robôs industriais tendem a ser mais fortes. Alguns podem levantar centenas de quilos sem esforço.

Os cobots, por outro lado, têm capacidades de elevação mais modestas. Mesmo com os cobots de maior capacidade de carga do mercado, como o UR20 com sua capacidade de carga de 20 kg, isso ainda é pouco.

Rodada 2: Velocidade
Quando se trata de velocidade, os robôs geralmente levam vantagem e são capazes de se mover em altas velocidades que nenhum ser humano poderia alcançar… mas a comparação não é tão simples.

Os robôs industriais tradicionais geralmente se movem muito mais rápido que os cobots, permitindo que eles executem tarefas complexas com rapidez e eficiência. Os cobots geralmente se movem lentamente, mas apenas para respeitar os limites de segurança em torno dos humanos. Eles geralmente são capazes de se mover na mesma velocidade que os robôs.

Leia:   É por isso que a lua deve ter seu próprio fuso horário

Vencedor: Empate

Rodada 3: Flexibilidade
Quando se trata de flexibilidade e versatilidade, os cobots lideram o caminho. Você pode reprogramar rápida e facilmente um cobot para executar diferentes tarefas. A alternância entre programas e tarefas robóticas pode ser feita em apenas alguns minutos.

Com um robô convencional, a reprogramação costuma ser um processo longo e difícil, exigindo a paralisação da produção enquanto ela está em andamento.

Vencedor: O cobô

Rodada 4: O custo
O verdadeiro custo de uma solução robótica pode ser difícil de esclarecer. Com robôs industriais convencionais, existem vários extras pelos quais você terá que pagar e que nem sempre são óbvios à primeira vista.

Cobots são geralmente mais acessíveis. Além disso, sua facilidade de uso significa que você não precisa pagar altos custos de integração para colocá-los em operação.

Vencedor: O cobô

Rodada 5: Segurança
Esta é a rodada em que os cobots têm uma “vantagem injusta”.

Os robôs industriais tradicionais devem ser fechados ou exigir sistemas de segurança dedicados para operar com segurança em torno de humanos.

Os Cobots são projetados e construídos com a segurança humana em mente. Você pode colocar um cobot em suas instalações sem grade de proteção e saber que seus trabalhadores humanos estarão seguros ao lado dele.

Vencedor: O cobô

Rodada 6: Eficiência
Quando se trata de eficácia, é uma competição difícil de julgar.

O que é eficiência em termos de robótica? De que tipo de eficiência estamos falando, afinal?

Existem diferentes formas de eficiência. Os robôs convencionais podem ser eficientes porque se movem e concluem tarefas rapidamente. Mas os cobots podem ser eficientes porque levam menos tempo para programar.

Vencedor: Empate

Leia:   Raspberry Pi alimenta um trio de Macs minúsculos

Rodada 7: Peso
É inegável que os robôs industriais são verdadeiros monstros em termos de peso. Um robô industrial pode pesar 3 ou 4 vezes mais que um cobot com capacidade de carga semelhante.

Mais peso não significa melhor. O peso maior de um robô convencional significa que você precisa de uma estrutura de suporte mais forte por baixo e torna mais difícil mover o robô.

Vencedor: O cobô

Rodada 8: Precisão
Os robôs industriais convencionais geralmente têm vantagem em termos de precisão e por uma razão simples: rigidez. Sua estrutura pesada tem uma vantagem, geralmente torna o robô mais rígido, o que pode melhorar sua precisão.

Alguns cobots são tão precisos quanto alguns robôs convencionais, mas em geral os robôs são mais precisos.

Vencedor: O Robô

Rodada 9: Usabilidade
A rodada final é a facilidade de uso. E aqui os cobots claramente vencem.

Os robôs industriais convencionais exigem programação e manutenção especializadas, que podem ser demoradas e difíceis para quem não tem experiência em robótica.

Os Cobots são projetados para serem muito mais fáceis de usar. Suas interfaces intuitivas permitem que quase todos aprendam rapidamente como programar e manter o cobot.

Vencedor: O cobô

E o vencedor é…
Depois de uma longa e feroz batalha, o vencedor é… o cobot!

Mas existe um lado ruim…

Como acontece com qualquer tecnologia, a resposta real para a pergunta “Qual é o melhor para mim?” é… depende!

Em nosso duelo, os cobots podem levar vantagem em termos de custo, segurança e facilidade de uso. Mas o tipo que você precisa depende de suas necessidades específicas. Cabe a você decidir quais fatores são importantes para você.

Quer você escolha cobots ou robôs convencionais, ambos oferecem soluções de automação poderosas que podem melhorar drasticamente a eficiência e a consistência de suas tarefas.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo