FacebookRede SocialSegurança

Primeiro-ministro do Camboja ameaça banir o Facebook após postagens consideradas violentas

O líder do Camboja, Hun Sen, deixou o Facebook e ameaçou bloqueá-lo em seu país depois que o conselho de supervisão da plataforma recomendou que ele fosse suspenso por seis meses.

Hun Sen pediu violência contra seus oponentes políticos em um vídeo em janeiro que foi visto 600.000 vezes.

Sua mudança ocorre dias antes de ele lançar uma campanha de reeleição para estender seu governo de 38 anos.

Hun Sen era um usuário prolífico do Facebook e sua página tinha 14 milhões de seguidores.

Depois de deixar a plataforma na quinta-feira, ele também ameaçou bloquear o Facebook no país.

Conversando com trabalhadores de vestuário na província de Pursat na sexta-feira, ele alertou que poderia a qualquer momento bloquear a plataforma “por um curto período ou para sempre” para impedir que políticos exilados da oposição conversem com os cidadãos do país.

Ilhas Salomão querem banir o Facebook para 'evitar cyberbulling' - Olhar  Digital

“Não sejam arrogantes, vocês estão no exterior, estão usando o Facebook para se comunicar, poderíamos bloquear o Facebook”, ameaçou em comentários dirigidos aos adversários.

Hun Sen pediu aos cambojanos que migrassem para outras plataformas de mídia social, incluindo Telegram e TikTok, para as quais ele se mudou.

Antes de sair do Facebook, Hun Sen conquistou cerca de 800.000 usuários no Telegram, um canal comumente usado na política cambojana. Os críticos dizem que o enorme alcance da mídia social do líder de 69 anos se deve em parte a bots ou contas falsas.

  • Hun Sen: o primeiro-ministro homem forte do Camboja

“Dada a gravidade da violação, o histórico de Hun Sen de cometer violações de direitos humanos e intimidar oponentes políticos, bem como seu uso estratégico da mídia social para amplificar tais ameaças, o Conselho pede à Meta que suspenda imediatamente a página de Hun Sen no Facebook e a conta no Instagram. por seis meses”, disse o Conselho em um comunicado.

No vídeo, Hun Sen ameaçou os líderes da oposição contra acusar seu partido de roubo de votos nas eleições previstas para julho.

“Ou você enfrenta uma ação legal no tribunal ou eu reúno o povo [do Partido do Povo Cambojano] para uma manifestação e bato em você”, disse ele.

Logo após o anúncio da decisão do Conselho de Supervisão, Hun Sen disse que pediu a um assistente para deletar sua conta no Facebook.

Hun Sen serviu como primeiro-ministro do Camboja por mais de 38 anos e é um dos líderes políticos mais antigos do mundo. Seu governo foi marcado por alegações de abusos dos direitos humanos, e ele também foi acusado de dizimar toda a oposição política antes da votação de julho.

Em maio, o corpo eleitoral do Camboja desqualificou seu único adversário confiável, o Candlelight Party, alegando falta de documentação adequada.

E no início de março, o líder da oposição Kem Sokha foi condenado a 27 anos de prisão domiciliar por traição, uma acusação que ele nega.

A saída de Hun Sen do Facebook é sua forma de antecipar a suspensão do conselho da Meta, diz Sebastian Strangio, autor do livro “Hun Sen’s Cambodia”.

O pai do TikTok, ByteDance, está sediado em Pequim, enquanto o Telegram foi fundado na Rússia, onde é amplamente utilizado pelo público e até pelo Kremlin.

“Com base em seu histórico, é muito menos provável que essas duas plataformas impeçam Hun Sen de usá-las como ele achar adequado, inclusive como um veículo para atrair, incitar e ameaçar seus oponentes”, disse Strangio.

A Human Rights Watch (HRW) descreveu a saída de Hun Sen da maior plataforma de mídia social do mundo como um “encontro entre a Big Tech e um ditador sobre questões de direitos humanos”.

“As apostas são altas porque muitos danos no mundo real são causados ​​quando um autoritário usa a mídia social para incitar a violência – como já vimos muitas vezes no Camboja”, disse o vice-diretor da HRW para a Ásia, Phil Robertson.

A ameaça de Hun Sen de bloquear o Facebook já provocou reações no Camboja, onde o site de mídia social é visto como a principal plataforma para atividades online que vão desde discussões políticas até comércio eletrônico.

“Se o Facebook for bloqueado, os laços com o Ocidente vão piorar. Funcionários ruins ficarão felizes”, escreveu um usuário do Facebook.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo