AstronomiaCiência e Espaço

Agência de falhas do inspetor geral da NASA no impulsionador SLS e superação do motor

A conversão de propulsores e motores de foguetes sólidos da era do ônibus espacial para uso no Sistema de Lançamento Espacial custou mais bilhões à NASA e levou anos a mais do que o planejado originalmente, concluiu o inspetor geral da agência.

Em um relatório de 25 de maio, o Office of Inspector General (OIG) da NASA afirmou que os contratos que datam do programa Constellation há mais de 15 anos sofreram cerca de US$ 6 bilhões em aumentos de custo relacionados a mudanças no escopo dos contratos, bem como problemas. Esses contratos também sofreram mais de seis anos de atrasos.

Os contratos cobrem o trabalho da Northrop Grumman para desenvolver e produzir propulsores de foguetes sólidos de cinco segmentos para o SLS com base nos propulsores de quatro segmentos usados ​​no ônibus espacial, e o trabalho da Aerojet Rocketdyne para adaptar os motores principais do ônibus espacial, também conhecidos como RS- 25, para o estágio principal do SLS.

Os contratos, cobrindo o desenvolvimento e a produção dos propulsores e motores, originalmente tinham um valor combinado de US$ 7 bilhões ao longo de 14 anos. Os contratos de custo mais agora valem pelo menos US$ 13,1 bilhões em 25 anos, dos quais US$ 8,6 bilhões foram gastos até o momento. O OIG informou que os excessos têm o efeito de aumentar o custo de uma única missão SLS através do Artemis 4 em US$ 144 milhões, para US$ 4,2 bilhões cada.

History | NASA Science – Climate Change: Vital Signs of the Planet

Um fator-chave nas superações foi a subestimação da dificuldade de adaptar o hardware da era do ônibus espacial para o SLS. “Embora o RS-25 seja um sistema altamente maduro, atualizações técnicas significativas são necessárias antes que ele possa ser instalado no SLS devido ao aumento da complexidade técnica do foguete”, afirmou o relatório, variando do aumento do calor que exigia informações adicionais a outras modificações do sistema. para aumentar o fluxo de propulsores para os motores.

Leia:   15 fotos de astronomia hipnotizantes que irão transportá-lo para o espaço

A Aerojet também teve que projetar uma nova unidade controladora do motor, que contém os componentes eletrônicos para operar o RS-25, porque as peças da unidade original não estavam mais disponíveis. No entanto, o relatório constatou que os planos da Aerojet para a unidade “faltavam de um entendimento abrangente dos requisitos de projeto do controlador e um escopo de trabalho acordado, o que resultou em problemas técnicos significativos que culminaram em aumento de custos e cronograma expandido”.

O propulsor de foguete sólido também tem excessos significativos, particularmente com seu forro de propelente e isolamento, um novo componente que substituiu um isolamento à base de amianto usado em propulsores da era do ônibus espacial. Esse trabalho começou como uma modificação de contrato de US$ 4,4 milhões em 2011, mas a Northrop acabou cobrando US$ 253 milhões da NASA pelo trabalho, incluindo US$ 28,5 milhões em taxas de premiação.

Os oficiais contratados da NASA se opuseram ao pagamento da taxa de concessão, negando dois pedidos da Northrop para a taxa. O relatório do OIG observou que os funcionários da agência pareciam contornar os procedimentos padrão ao convocar uma “equipe de avaliação independente” de ex-funcionários da NASA, que recomendou que a agência pagasse a taxa de premiação. O relatório chamou esse esforço de “desrespeito significativo e contínuo pelos regulamentos e processos oficiais da Agência”. A NASA acabou concordando em pagar à Northrop US$ 24,5 milhões.

Esse incidente foi apenas um dos vários exemplos de deficiências de aquisição citados pelo relatório do OIG. Ele observou que apenas um punhado de funcionários trabalha nos contratos de reforço e motor, com revisão de supervisão limitada. Também levou quase 500 dias para finalizar um contrato de reforço, fora da orientação de fazê-lo em 180 dias. Apesar desse atraso, os advogados de aquisição tiveram apenas seis horas para revisar um contrato de 1.500 páginas, “provavelmente contribuindo para omissões não identificadas de cláusulas obrigatórias e falta de um escopo de trabalho totalmente definido”.

Leia:   Robôs podem servir café e pegar sorvete com a plataforma de simulação do MIT

O relatório observou que a NASA está tentando reduzir os custos para os futuros impulsionadores SLS e o reinício da produção do motor RS-25. Ele alertou, no entanto, que “os esforços da NASA provavelmente ficarão aquém das economias esperadas, devido ao impacto contínuo dos esforços para reiniciar a produção do motor RS-25 e gerenciar a complexidade da atualização e integração de componentes herdados”.

O OIG ofereceu oito recomendações à NASA para tratar de questões de contrato de reforço e motor, como a mudança para contratos de preço fixo para novos motores RS-25. A NASA aceitou, parcial ou totalmente, todas as recomendações, mas observou que já havia examinado a questão da produção do motor RS-25 e concluiu que, dado o trabalho necessário para reiniciar as linhas de produção, um contrato de custo acrescido era a melhor abordagem de contratação.

A resposta da NASA foi excepcionalmente crítica da avaliação geral do OIG. Funcionários da agência “estão preocupados que o relatório anterior ofereça uma visão incompleta da tomada de decisão do programa em relação a seus propulsores e elementos de motores e que as informações no relatório sejam apresentadas sem o contexto que o tornaria mais preciso”, afirmou uma resposta da NASA assinado por Jim Free, administrador associado da NASA para desenvolvimento de sistemas de exploração, e Karla Smith Jackson, administrador assistente do escritório de compras. “Como resultado, a diretoria e o programa não concordam nem endossam os fatos apresentados no corpo do relatório.”

O OIG manteve as conclusões de seu relatório. “Não concordamos com essa caracterização sumária e estamos desapontados porque, em sua resposta formal, a Agência não especificou os fatos do relatório com os quais discorda”, afirma o relatório.

Related Articles

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Back to top button