Ciência e Espaço

Lynk Global está prestes a lançar serviços comerciais diretos para o dispositivo

Uma operadora móvel na nação insular de Palau, no Pacífico, será a primeira a usar comercialmente os satélites direto ao dispositivo da Lynk Global para manter os clientes sem fio conectados fora da cobertura da rede terrestre.

A Corporação Nacional de Comunicações de Palau (PNCC), a maior empresa de telecomunicações do país, disse em 21 de junho que a tecnologia da startup sediada nos EUA permitirá mensagens de texto periódicas no final do mês no sudoeste do país.

Os clientes do PNCC poderão enviar e receber mensagens de texto com seus telefones existentes até três vezes ao dia em três das quatro ilhas no estado de Sonsorol, em Palau, disse o CEO da Lynk, Charles Miller, em entrevista.

Esses clientes atualmente utilizam rádios no espectro de frequência muito alta (VHF) para comunicações em Sonsorol.

Atualmente, a Lynk tem três pequenos satélites em uma constelação de órbita baixa da Terra que está tentando expandir para aumentar a cobertura e diminuir a latência, permitindo, em última análise, outros serviços de conectividade, como chamadas de voz.

Miller disse que o empreendimento com sede na Virgínia garantiu financiamento para lançar mais três satélites neste outono e tem compromissos de financiamento para implantar outros seis em janeiro.

Lynk Global: satélite capaz de emitir sinal 5G será lançado por empresa  norte-americana | Mundo Conectado

A empresa pretende operar mais de 50 satélites até o final de 2024 e tem planos para uma constelação de cerca de 5.000 satélites no total.

Para o PNCC em Palau, Miller disse que esse plano de implantação permitiria que Lynk expandisse a cobertura habilitada por satélite em mais duas ilhas antes do final de 2023 e, em seguida, nas mais de 300 ilhas de Palau e águas circundantes até março.

Leia:   SAIC desenvolverá 'fábrica de software' para Agência de Desenvolvimento Espacial

Além de ajudar o PNCC a cumprir seu mandato de serviço universal para todo o Palau, Miller disse que Lynk também seria capaz de fornecer serviços de backup se um desastre natural derrubar a rede terrestre do país.

A PNCC é uma das mais de 30 empresas que Lynk diz ter assinado acordos com a startup de satélites. De acordo com Lynk, já realizou demonstrações bem-sucedidas de sua tecnologia em mais de 40 países em sete continentes até o momento.

A Lynk também precisa de aprovações regulatórias adicionais para operar em todos os países para os quais está planejando serviços, incluindo os Estados Unidos, que recentemente propôs uma estrutura regulatória direta ao dispositivo para o setor.

Miller se recusou a comentar sobre outros países onde Lynk tem acesso ao mercado, embora a startup tenha anunciado planos de lançar comercialmente na Nova Zelândia neste outono e no Canadá no início do próximo ano por meio de parcerias com operadoras de telefonia móvel.

Os concorrentes da Lynk no emergente mercado direto ao dispositivo incluem a AST SpaceMobile, que planeja lançar seus primeiros cinco satélites comerciais no início do próximo ano.

A AST SpaceMobile anunciou em 21 de junho que seus engenheiros alcançaram velocidades de download 4G LTE durante os testes no início do mês do BlueWalker 3, seu protótipo em órbita baixa da Terra.

A startup com sede no Texas disse que alcançou velocidades de download repetidas e bem-sucedidas acima de 10 megabits por segundo (Mbps) no Havaí com vários smartphones do mercado de massa. 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo