Ciência e Espaço

CesiumAstro desenvolverá terminal satcom para drone da Força Aérea dos EUA

A CesiumAstro, uma startup especializada em tecnologias de comunicação para satélites e aeronaves, ganhou um contrato da Força Aérea dos EUA para desenvolver uma antena phased array para drones pilotados remotamente.

O acordo de dois anos de $ 3,6 milhões é o chamado Aumento de Financiamento Tático, onde o governo e investidores privados dividem o custo 50/50.

A CesiumAstro , com sede em Austin, Texas, anunciou em 16 de junho que desenvolverá uma matriz de direção eletrônica ativa (AESA) que voará em um drone MQ-9 Reaper fabricado pela General Atomics. O terminal conectará a aeronave com satélites comerciais de banda larga de banda Ka em órbitas terrestres médias e baixas. 

Na demonstração, planejada para 2025, uma aeronave Reaper equipada com uma antena AESA de baixo perfil voará e transmitirá vídeo ao vivo com base em uma rede comercial de satélites, disse Shey Sabripour, fundador e CEO da CesiumAstro, ao SpaceNews .

Os drones militares atuais usam antenas parabólicas para se comunicar com satélites de órbita geoestacionária. “O DoD precisa de conectividade aprimorada e de maior rendimento para veículos aerotransportados”, disse Sabripour. “Ao mudar as plataformas drone satcom para um terminal AESA, eles poderão se conectar às órbitas MEO e LEO usando frequências de banda Ka comerciais e militares.”

A CesiumAstro planeja usar as comunicações via satélite mPower MEO da SES para a demonstração. Os serviços LEO de banda Ka desenvolvidos pelo Projeto Kuiper e Telesat da Amazon não devem estar disponíveis para a primeira demonstração, mas serão testados quando estiverem disponíveis, disse ele. O terminal também poderá conectar drones à futura constelação militar operada pela Agência de Desenvolvimento Espacial da Força Espacial, conhecida como rede de comunicações Transport Layer LEO.

Leia:   Força Espacial dos EUA em negociações com aliados sobre como proteger ativos espaciais em conjunto
Um conjunto de Ceifadores MQ-9A integrados aos terminais SATCOM da CesiumAstro. (Fonte: CesiumAstro)

Demonstração separada com Airbus

Wayne Phelps, diretor de desenvolvimento de negócios da CesiumAstro e ex-operador de drones do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA, disse que o terminal AESA que está sendo desenvolvido para a Força Aérea é um pouco menor do que o que a empresa demonstrará em 2024 em uma aeronave comercial Airbus.

A Airbus Ventures é investidora da CesiumAstro.

“Um terminal AESA permite feixes mais estreitos, reduzindo a chance de detecção pelas forças inimigas”, disse Phelps. O phased array também dará à Força Aérea acesso à banda larga comercial de alta capacidade. Drones militares que coletam inteligência normalmente transmitem grandes quantidades de dados. 

“A nossa antena vai dar conectividade ao MEO e LEO. Podemos rastrear um satélite e passar para outro antes que você perca a conectividade”, também conhecido como conectividade make-before-break, disse Phelps.

A General Atomics construiu um radome de banda Ka separado logo atrás do gabinete original usado para terminais de banda Ku. 

“Será bastante plug and play”, disse Phelps. 

Sabripour disse que a empresa espera que a demonstração leve a pedidos maiores. Ele estimou que a Força Aérea precisará de 500 a 2.000 novos terminais satcom para drones nos próximos 10 anos.

“Eles querem tirar proveito de novas constelações que chegam online”, disse ele. “Queremos transformar este terminal em um produto comercialmente viável no mercado até 2025”, disse Sabripour. “Estamos buscando todas as certificações e testes exigidos pelos militares e pela Federal Aviation Administration.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo