Hot TrendsReview

O Canadá está em guerra com o Google e pode não vencer

A Meta, dona do Facebook e do Instagram, e o Google dizem que vão bloquear notícias locais de suas plataformas no Canadá depois que o país se tornou a última jurisdição a aprovar uma lei destinada a forçar gigantes da tecnologia a pagar provedores de notícias por conteúdo. O que acontece agora?

Como presidente da La Presse, uma importante publicação de língua francesa em Quebec, Pierre-Elliott Levasseur diz que tentou durante anos negociar acordos de pagamento com gigantes da tecnologia, que ele acreditava estarem sugando dados e dólares de publicidade com base em artigos de notícias de seus 220 -funcionários ímpares estavam fornecendo.

“Durante anos e anos eles recusaram categoricamente”, disse ele à BBC.

Ele esperava que uma nova lei, conhecida como Lei de Notícias Online, mudasse isso – e levasse a um influxo de fundos que poderiam ser investidos no negócio.

A lei – que visa Google e Meta – exige que as empresas de tecnologia negociem acordos de pagamento com veículos de notícias. Se os dois lados não chegarem a um acordo, o regulador de transmissão do país pode forçá-los à arbitragem.

Um órgão fiscalizador do orçamento parlamentar independente estimou que a medida poderia gerar mais de C$ 300 milhões (£ 180 milhões; $ 226 milhões) no total anualmente – ou financiamento para cerca de 30% das operações típicas de uma redação.

Mas, em vez de uma sorte inesperada, La Presse – e todas as outras organizações de notícias canadenses – agora enfrenta um possível apagão, já que os gigantes da tecnologia prometem bloquear links para artigos de notícias em suas plataformas, em vez de obedecer.

A Meta, que se opôs à proposta desde o início, disse que começaria a bloquear sites de notícias para usuários canadenses nos próximos meses.

O Google fechou acordos de pagamento com provedores de notícias na Europa, Austrália e outros lugares e parecia disposto a negociar.

Ele diz que atualmente tem acordos com mais de 150 organizações de notícias canadenses e estima que seu tráfego ajudou os sites de notícias a ganhar C$ 250 milhões por ano.

“Estamos dispostos a fazer mais”, disse a empresa, referindo-se aos pagamentos. “Simplesmente não podemos fazer isso de uma forma que quebre a maneira como a web e os mecanismos de busca são projetados para funcionar, e isso cria produtos insustentáveis ​​e incerteza financeira”.

Antes que a lei fosse aprovada neste mês, o primeiro-ministro Justin Trudeau havia rejeitado as ameaças das empresas de tecnologia de divulgar notícias.

Pierre-Elliott LevasseurFONTE DA IMAGEM,LA PRESSE
Legenda da imagem,

Pierre-Elliott Levasseur, do La Presse, diz que as organizações de notícias não querem esmolas.

“O fato de esses gigantes da Internet preferirem cortar o acesso dos canadenses às notícias locais do que pagar sua parte justa é um problema real, e agora eles estão recorrendo a táticas de intimidação para tentar conseguir o que querem. Não vai funcionar”, disse. ele disse no início de junho.

As organizações da indústria de tecnologia compararam o esforço a um “extorsão”, mas Levasseur diz que ninguém na mídia está procurando uma esmola.

“Pedimos para ter a oportunidade de negociar um acordo comercial justo”, diz. “A única razão pela qual eles não fizeram isso é porque são monopólios.”

A forma como a disputa será resolvida pode ser um momento crucial em uma luta mais ampla, já que países ao redor do mundo, incluindo Indonésia, África do Sul, Índia, Reino Unido e Estados Unidos, consideram medidas semelhantes.

As quantias em discussão representam uma pequena gota no balde em comparação com as dezenas de bilhões de dólares feitas pelos gigantes da tecnologia a cada ano – mas podem ser uma tábua de salvação para o jornalismo, diz Courtney Radsch, diretora do Center for Journalism and Liberty no Open Markets Institute, um think-tank antimonopólio.

O Canadá modelou sua regra em uma medida que a Austrália aprovou em 2021. Essa lei gerou objeções semelhantes, levando a Meta a impor um breve blecaute de notícias.

Mas depois de algumas mudanças no projeto de lei, as duas empresas acabaram negociando mais de 30 acordos com editoras no valor de mais de US$ 130 milhões (A$ 200 milhões), de acordo com o economista Rodney Sims, que liderou a agência de concorrência da Austrália, que desenvolveu a lei.

Ele diz que espera que as empresas se comportem de maneira semelhante desta vez – embora na Meta, o CEO Mark Zuckerberg esteja afastando a plataforma das notícias em favor de um conteúdo mais pessoal.

“O Facebook simplesmente odeia a coisa toda”, ele admitiu. Mas “não dá para ter uma busca efetiva sem notícias e acho que o Facebook vai descobrir… que é muito difícil para eles te dar seu feed sem nenhuma notícia”, diz.

“É o que torna o serviço deles completo.”

Mas outros estão alertando que a luta no Canadá pode ser diferente.

Mark ZuckerbergFONTE DA IMAGEM,GETTY IMAGES
Legenda da imagem,

Mark Zuckerberg disse que pesquisas com usuários do Facebook mostram que eles querem ver menos notícias na plataforma.

Phillip Crawley, executivo-chefe do Globe and Mail, que tem acordos de licenciamento com Google, Meta, Apple e outros, apontou para mudanças mais amplas nas buscas que estão em andamento, como o surgimento de chatbots como o ChatGPT, que geram respostas, não uma lista de links, em resposta a perguntas do usuário.

Com mais países considerando tais medidas, as empresas também têm maior incentivo para lutar, diz ele.

“O mundo está em um lugar diferente”, diz Crawley, que falou em apoio ao projeto de lei, levantando preocupações de que certos poderes concedidos ao regulador de transmissão do Canadá possam ameaçar a independência da imprensa.

Google e Meta dizem que a lei do Canadá difere da da Austrália em aspectos importantes. Notavelmente, na Austrália, as empresas podiam satisfazer os reguladores sem fazer acordos com todos. No Canadá, não existe tal fora. Também regula mais tipos de conteúdo.

O Google diz que tentou – com pouco resultado – levantar suas preocupações sobre o projeto de lei com o governo antes de ser aprovado. Embora o governo tenha voltado à mesa de negociações depois que a lei foi aprovada, essas discussões de “horas extras” chegaram tarde demais para resolver os problemas, disse uma fonte da empresa à BBC.

Michael Geist, um estudioso legal de tecnologia canadense e notável crítico do projeto de lei, diz que o governo calculou mal devido às mudanças nos negócios da Meta.

A empresa disse que a proporção de adultos que usam o Facebook para notícias caiu cerca de um terço entre 2016-2022, de 45% para 30%, e suas pesquisas com usuários mostram que eles querem ver menos notícias na plataforma.

“Por que o governo não leu a sala?” disse o Sr. Geist. “O Facebook não está blefando – eles gostariam de ficar fora das notícias.”

O Google disse que continuará participando do processo regulatório, que pode levar meses para ser resolvido e deixa muitas redações enfrentando mais turbulências.

No Globe and Mail, que agora recebe dois terços de sua receita de assinaturas, o Google responde por 30% do tráfego, disse Crawley ao parlamento no mês passado.

Para Le Devoir, uma importante publicação em língua francesa, o Google direciona 40% de seu tráfego e quase 30% vem das mídias sociais.

A Meta já se moveu para cancelar os acordos que tem com editoras no Canadá – que podem valer milhões de dólares, segundo relatos – bem como um financiamento que havia fornecido para um programa de bolsas.

Levasseur admitiu que um apagão teria impacto no La Presse, que é lucrativo e financiado em grande parte por publicidade e doações de leitores. Mas ele disse acreditar que a publicação, que chega a cerca de 1,4 milhão de leitores por dia, se ajustaria, como aconteceu com outras reviravoltas no mercado de notícias que os gigantes da tecnologia desencadearam.

“Quando acabamos com o papel [impresso], a receita publicitária estava diminuindo. Agora está aumentando”, afirma. “Fomos capazes de nos ajustar na época e tenho certeza de que seremos capazes de nos ajustar no futuro.”

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo